Pesquisar neste blog temas do seu interes

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

STF REAFIRMA APOIO À REALIZAÇÃO DE MARCHAS PELA LIBERAÇÃO DE DROGAS

 O BRAZIL TÁ MUDANDO E MUITO RÁPIDO. É mulher presidente, é casamento entre dois homens, duas mulheres, é punição para delinquentes mais brandas e fora da cadeia tirando o poder do policial , é fronteira aberta para estrangeiros, é ajuda para ampliação do narco em países produtores de drogas, é...., é...... Não estou dizendo que isso é errado e sim mostrando que o que achávamos errado a poucos anos, agora parece ser certo. "Parece que esse Pais mergulhou de vez num caldeirão de drogados, homossexuais, racismo e outras coisas mais".
23/11/2011 17:15
STF reafirma apoio à realização de marchas pela liberação de drogas
“Podem ser ideias inconviventes, conflitantes com o pensamento dominante. Mas a mera expressão de um pensamento não pode constituir objeto de restrição”.

A ação foi levada pela Procuradoria-Geral da República, questionando a constitucionalidade da criminalização de atos que defendam, por exemplo, a maconha.

Para o presidente do STF, Cezar Peluso, o tema “põe em jogo a questão do perfil da liberdade de reunião
Pela segunda vez, o STF (Supremo Tribunal Federal) deu seu apoio ao direito de manifestações em favor do uso de drogas. O relatório do ministro Carlos Ayres Britto, lido nesta quarta-feira (23), foi referendado por mais seis colegas, endossando que os protestos pela liberação de entorpecentes não fazem apologia de um crime, conforme defendeu a Presidência da República. Apenas o ministro Gilmar Mendes fez ressalvas ao texto.

A partir de agora, marchas e movimentos desse tipo não podem ser barrados por decisões judiciais. A ação foi levada pela Procuradoria-Geral da República, questionando a constitucionalidade da criminalização de atos que defendam, por exemplo, a maconha.

No primeiro julgamento, realizado em junho, todos os oito ministros presentes votaram a favor da legalidade das marchas. Dias Toffoli não votou por ter atuado no caso como advogado-geral da União.

Relator da ação que pedia a liberação de manifestações desse tipo no primeiro julgamento, o ministro Celso de Mello afirmou que “nada impede que esses grupos expressem livremente suas ideias”. Questionado pelo colega Gilmar Mendes sobre a possibilidade da organização de marchas em favor da pedofilia, ele respondeu: “Podem ser ideias inconviventes, conflitantes com o pensamento dominante. Mas a mera expressão de um pensamento não pode constituir objeto de restrição”.

Para o presidente do STF, Cezar Peluso, o tema “põe em jogo a questão do perfil da liberdade de reunião, como instrumento da liberdade de expressão, de opinião, de pensamento. No caso, da opinião favorável a descriminação de condutas”.

“A questão das drogas é de há muitos anos uma questão discutível. Ela não significa necessariamente nenhuma autorização para uma prática de atos capazes de vulnerar nem de atentar contra a estruturação da sociedade”, disse

terça-feira, 22 de novembro de 2011

ABERTA A TEMPORADA DE CAÇA



 
Veja o que pode acontecer com os militares das FFAA que nas décadas de 60 e de 70 lutaram em uma Guerra Revolucionária impedindo que subversivos/terroristas/comunistas implantassem no Brasil o Comunismo Internacional e ou que criassem na Amazônia uma “ FOGUEIRA” (Forças Guerrilheiras do Araguaia) semelhante as FARCs da Colômbia.

Comissão da Verdade” : " Foi aprovada pelo atual sistema de governo”.


                    ABERTA A TEMPORADA DE CAÇA


     Ora direis “ouvir estrelas”. Sim, a Comissão ouvirá estrelas e, também, cobras e lagartos, subversivos e terroristas.
      Eventualmente, defrontamos - nos com pretensos ingênuos que afirmam que o desgoverno providenciará um substancial aumento para os militares, deve ser no tempo de permanência nos morros em missão tipo “puliça”, e para tanto, está fazendo cálculos mirabolantes e, sendo possível (parece que dependerá da exploração do pré – sal), o impossível aumento virá.
      Os coniventes acreditam (?) que a Comissão tem os mais belos e puros propósitos, e chegam ao cumulo da idiotice ao afirmar que a medida foi tomada pelo desgoverno por imposição de suas bases, por clamor da sociedade, blá blá....
     E que depois, liquidada a fatura, haverá uma grande festa de confraternização. Será a bacanal entre vencedores e vencidos, entre crápulas e inocentes, e eles farão o que quiserem, e os acusados, disciplinados, alegremente, deixarão.
     A todo o momento, falsos otimistas são useiros em afirmar que as declarações positivas da Presidente sobre as Forças Armadas são a prova cabal de sua admiração, respeito e confiança.
     O que fazer diante de tantas tolices? Já respondemos à exaustão.
     Esqueceram - se que a Comissão estava no PNDH3? Dos Memoriais? Dos Livros? Que a Comissão foi inventada, construída, pressionada para aprovação por um Congresso submisso ao desgoverno?
     Meu amigo, se você consta em alguma relação ou livro divulgado ou a ser divulgado pelos escribas do social - petismo, coloque suas barbas de molho e escafeda - se para o ignoto, pois será acusado pelo que dirão que você fez e, acredite, nada que abrilhante o seu currículo.
     Você acaba de ingressar na lista dos mais procurados ou de caça a ser abatida.
     Na mira dos caçadores, estão os animais de duas patas, hominídeos, não importa a cor, pois eles não são racistas, mas preferem os de pele verde - oliva.
     Acoitados, na espreita por décadas, perseguiram, emboscaram, infligiram danos, feriram, desmoralizaram, mas agora, aberta oficialmente a temporada de caça, poderão abater sem piedade.
     Hoje é facil transformar – se a vilania, o revanchismo e as perseguições em atividades legais, basta criar leis que acobertem a imoral e ilicita atividade. Assim, durante dois anos, podendo e, certamente, será prorrogada, uma caçada sem quartel, sem obstáculos.
     Lamentamos a desdita dos difamados e perseguidos, deploramos a inquisição que se inicia e a difamação que irá enlamear os seus nomes, a sua honra , a sua dignidade.
    Perdoem, se apenas escrevemos, denunciamos, pois numa democracia viciada, de sociedade alienada, somos, absurdamente, impotentes.
    Em decorrência, acumula – se entre os que esperam a supremacia da verdade, os que almejam um minimo de decencia, uma descrença, uma tristeza, um desânimo com relação à justiça, à sociedade, aos politicos, às forças vivas da nação, que nada fizeram para salvaguardar aqueles, que exclusivamente cumpriram o seu dever, não se locupletaram, não transitam nos caminhos do poder, apenas se arriscaram para a manutenção da lei e da ordem.
     Sim, acreditem, eles não são culpados, foram, simplesmente tolos por julgarem que lutavam por um Brasil melhor, democrata, justo e nobre.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

SAÚDE DA FRONTEIRA EM RISCO

-->SAÚDE DA FRONTEIRA EM RISCO
Tenho deparado quase todos dias um número cada vez maior de HAITIANOS pelas ruas de Brasiléia e Epitaciolândia a procura de se regularizarem nos órgãos ou setores credenciados como a sede da Polícia Federal, setor de Migração da PF, Comando do Corpo de Bombeiros, Hospital, Postos de Saúde, Ministério do Trabalho para a Carteira de Trabalho e na Receita Federal para o CPF. Sempre em contato com os mesmos, por ter sido um dos primeiros a levantar essa questão nos meios de comunicação a um ano quando começou a chegar vez por outra esses estrangeiros.
Acontece que durante esse ano de 2011 tem chegado um número assustador, principalmente de haitianos, vez por outra chegam Blangadestinos, tailandeses e outros mais, estima-se que tenha ultrapassado a casa dos 1.200 desses estrangeiros, que na sua grande maioria são haitianos fugindo da miséria em que se encontra o Haiti depois da catástrofe. Sabemos que o BRASIL logo ofereceu Ajuda Comunitária lá no Haiti e depois começou a chegada deles no Brasil pelas fronteiras através de Tabatinga no Amazonas e Brasiléia e Epitaciolândia no Acre; já que Assis Brasil, não sei os motivos, não não estão sendo credenciados os mesmos, como que Asis Brasil, que é a porta de entrada, não seja Brasil.
Esses haitianos, devido serem de um país mais pobre, o índice de doenças graves, e algumas desconhecidas para o Brasil, é muito grande. Para se ter uma idéia se juntar a população dos municípios de Brasiléia, Assis Brasil, Epitaciolândia, Xapuri, Plácido de Castro, Capixaba, Senador Guiomard, em vinte anos não tiveram determinados tipos de doenças graves, que metade desses haitianos trouxeram em menos de um ano.
Segundo o que se nota, hoje dia 16 de novembro, é que tem mais de quatrocentos em nossos municípios, sendo umas 90 mulheres tendo algumas grávidas, umas sete crianças e os demais homens. Chega a dar dó da situação em que os mesmos estão vivendo. Nossas prefeituras tem ajudado em muito pouco, o estado depois de algum tempo está ajudando bastante, acontece que nós já temos os nossos problemas, que não são poucos a serem resolvidos. Os haitianos que chegam, logo logo são lhes oferecidos as documentações necessárias de suas permanência em território brasileiro, a grande maioria são de profissionais em várias áreas, que saem de seu país através de cotas de amigos e familiares para arriscarem a vida principalmente em São Paulo, que é o destino na mente de todos eles, não sei de onde partiu a ideia de que em São Paulo tem trabalho a vontade e que os mesmos em poucos meses mandariam dinheiro para a família e ainda trazer mais parentes. Muitos deles com os documentos em mãos saíram para vários estados brasileiros e estão trabalhando, aqui na fronteira não tem trabalho nem para os miseráveis daqui, além do mais que eles não trabalham para ganhar pouco, a diária dos mesmos é bem acima da média do povo daqui, até que vez por outra pessoas saem em busca deles para o trabalho, só não entendo o porque deles não aceitar pequenos serviços dizendo ser pouco o pagamento oferecido, tanto de mulheres como de homens e preferirem viver o que estão vivendo na fronteira. O acúmulo deles é devido que estavam a um mês sem fazerem os vários exames de saúde, talvez por falta de material e de a Polícia Federal só atender três por dia para a legalização dos mesmos no país, isso segundo informações colhidas com os próprios Haitianos; também não sei o dever e limite da PF nesse caso especial.
As igrejas Católicas e algumas Evangélicas até que tentaram ajudar, mas os gastos com a alimentação para com os mais de 1.200 que por aqui chegaram são muitos em relação às pequenas entidades Evangélicas. Atualmente o Governo do Estado tem mantido o almoço e a janta, ficando o café da manhã sem patrocinadores. O governo e prefeituras vinham mantendo eles em Ginásio de esportes, depois em pequenas hospedarias e agora o governo alugou um pequeno hotel com a capacidade para umas 80 pessoas, e com apenas pouco mais de cem colchões, estão vivendo quase trezentos deles. Da dó ver a situação de flagelo que estão submetidos, é fácil ver pessoas e principalmente uma grávida, que pode ganhar filho ainda esse mês, chorando com fome, essa precisou de exames médicos mas saiu do hospital com uma ordem para que se faça em laboratórios particulares ou em Cobija, lado Boliviano, como que a mesma tenha dinheiro. No começo chegavam só homens agora estão chegando é famílias. DE QUEM É A CULPA? Quem proporcionou essa invasão de Haitianos aqui em nossos municípios? Porque eles não ficam em países vizinhos aos deles? É desumano ver as condições de vida que eles estão passando, principalmente o de residência, mesmo sabendo que eles não se sujeitam a trabalhar ganhando pouco, pois eu e muitos daqui, se sujeitaria a trabalhar até pela comida em caso de precisão. Passam o dia inteiro perambulando pelas ruas, e nas praças, menos mau é que o comportamento social dos mesmo são bom. Tem uma casa pequena de madeira, sem água e sem luz, com a capacidade para uma família de quatro pessoas, que estão vivendo, como eu não sei, mais de 25 pessoas.
Não quero eu defender e nem acusar ninguém, tenho feito a minha pequena parte, mas me diga DE QUEM É A CULPA!.
Pelo que estou vendo muitos ainda virão, e o pior de tudo é que a fronteira por Tabatinga não está facilitando a entrada dos mesmos se tornando Brasiléia e Epitaciolândia como a porta de entrada. A rota dos mesmos é Haiti, Panamá, Colômbia, Peru até chegar em Inapari na fronteira do Brasil através de Assis Brasil, só que de Inapari-Peru para Brasiléia e EpitacioLãndia eles enfrentam talvez a maior dificuldade: Os que tem dinheiro pagam até 200 dólares cada a taxistas brasileiros por pessoa e correndo o risco do taxista ser pego, processado e pagar multas caríssimas, os que tem menos dinheiro se arriscam a virem pela estrada boliviana por taxistas peruanos e bolivianos correndo o risco de serem extraditados pelas autoridades bolivianas, já os que nada têm se arriscam a pé enfrentando rotas de tráficos de drogas e por terras bolivianas e brasileiras de forma escondida, passando fome e noites frias na selva amazônica. Chegando aqui eles recebem os direitos de se legalizarem, MAS PORQUE NÃO RECEBEREM ESSES DIREITOS NA PORTA DE ENTRADA QUE É EM ASSIS BRASIL?
As autoridades constituídas dos municípios, me parecem em nada estarem fazendo de concreto, eles não imaginam o risco de doenças e epidemia que estamos sujeitos, eles parecem que não entendem a gravidade do problema, são eles que deveriam se manifestarem a procura de alternativas e dos responsáveis por essa irresponsabilidade e condições sub-humanas a qual estão passando, principalmente à noite em que os mesmos tem que dormirem dividindo um colchão de solteiro até para três pessoas pelos corredores de pousadas e do hotel, muitos deles dormem é no chão mesmo e sem terem locais para por as poucas roupas que têm.
Se persistir a legalização de apenas três por dia, onde vamos parar com os mais de 400 que estão aqui e com os que todos dias estão chegando; pois os que pegam os documentos logo logo deixam os municípios para os grandes centros a procura de trabalho.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

ASSÉDIO SEXUAL NAS ESCOLAS



Assédio sexual nas escolas é assustadoramente comum
Um novo estudo descobriu que mais da metade das meninas – e muitos meninos – sofreram pelo menos uma situação de assédio no ensino médio ou fundamental.
É difícil encontrar alguém que não tenha sofrido nenhum tipo de assédio sexual na escola – desde comentários sobre o sutiã de meninas que estão começando a se desenvolver fisicamente até meninos que tiveram suas calças abaixadas ou sofreram preconceito e afirmações depreciativas sobre sua sexualidade.

O assédio sexual nas escolas é mais comum do que parece. Um novo estudo descobriu que mais da metade das meninas – e muitos meninos – sofreram pelo menos uma situação de assédio no ensino médio ou fundamental. E embora algumas pessoas possam afirmar que são apenas “crianças sendo crianças”, as vítimas podem sofrer com muitos maus efeitos no futuro.

De acordo com a revista Times, um estudo com quase 2 mil crianças descobriu que 56% das meninas e 40% dos meninos sofreram assédio sexual em algum momento no ano letivo anterior. 46% das garotas e 22% dos meninos relataram “indesejáveis comentários sexuais, gestos ou piadas”, enquanto 13% das meninas e 3% dos meninos mencionaram terem sido tocados contra sua vontade.

A estatística mais assustadora é que 3,5% das meninas e 0,2% dos meninos foram forçados a realizar um ato sexual, e uma parcela igual de meninos e meninas – 18% – foram chamados de gays de forma depreciativa.

Muitos adultos se lembram da escola como um local de comentários sobre sutiãs, agarramentos indesejados, comentários depreciativos sobre a sexualidade e coisas do gênero. E ainda que isso tenha sido extremamente doloroso, muitos adultos não se esquecem, mas carregam por muito tempo os comentários maldosos sobre eles, que começaram com a escola.

37% das meninas e 25% dos meninos disseram que o assédio fez que eles desejassem evitar a escola. 22% das vítimas do sexo feminino e 14% do masculino relataram até problemas para dormir. Esses números são ainda maiores entre crianças que foram perseguidas tanto online como pessoalmente – 46% dessas vítimas não queriam mais ir à escola, enquanto 44% delas tiveram problemas no estômago e 43% tiveram problemas de estudo.

Claramente, o assédio não é apenas uma brincadeira de crianças e adolescentes – além de afetar o desempenho escolar, prejudica a saúde. Assim, não deve ser tratado como um rito normal de passagem.

De acordo com a pesquisa, as escolas deveriam criar uma política contra o assédio sexual e certificar-se que ela seja divulgada e aplicada. As escolas devem assegurar que os estudantes sejam informados sobre os seus direitos, incentivando os jovens a falar sobre o assédio com a escola. Pais e colégios devem estar cientes que alunos merecem um ambiente de aprendizado em que o assédio seja uma ofensa punível, e não algo com o que eles devam lidar com naturalidade. 

Ads by Revenue Hits