Pesquisar neste blog temas do seu interes

domingo, 26 de dezembro de 2010

ANO NOVO ?


  
ANO NOVO ?

As pessoas valorizam muito a festa de Ano Novo, porque sentem o desejo de se renovar. As comunidades antigas expressavam isso através de ritos: jogavam fora roupas e objetos, querendo eliminar o que, em suas vidas, estava "envelhecido". É meia-noite no mundo, noite de 31 de dezembro. E, respeitadas as diferenças de fusos horários, promessas são feitas, desejos pensados, mal-entendidos superados. Momento mágico em que queremos acreditar que a mudança da folhinha no calendário pode mudar nossa vida. Mensagens de felicidade e de esperança. Desejos de uma vida melhor, Sem violência, sem sofrimento. Somos humanos e sonhamos, fazemos planos e acreditamos. Geralmente em dezembro as pessoas começam a fazer as promessas para o ano seguinte: - Emagrecer, - Fazer novos cursos, - Melhorar esta ou aquela situação, porém após a passagem de ano, começam o ano novo com a mesma correria do ano anterior e entregam-se muitas vezes sem saber, à rotina estafante do dia-a-dia, tendo em mente as promessas da passagem de ano. O que acontece efetivamente é que estas pessoas tiveram apenas o desejo, sem nenhum planejamento, ação ou monitoramento posterior. Desejo sem ação é ilusão, e poderá em alguns casos gerar desconforto ou insatisfações pessoais e/ou profissionais. "Tão importante quanto o futuro ou os planos para o futuro é o que fazemos no presente”. Olhe sempre os dois extremos, procure listar em uma página seus sonhos mais elevados e na outra tudo o que pode ser feito de maneira realista, pois ai terá as coordenadas entre a realidade e o desejo, e poderá traçar um rumo para suprir os espaços que precisa para a plena realização, tenha a sinceridade consigo mesmo. Nesta data, há uma forte tendência da sociedade falar e falar sobre a busca da paz e do amor. Mas o fato é que só o falar não resolve nada. Será que estamos realmente preocupados em ser um instrumento de paz, de amor e de cuidados para com o outro? Ou tudo isto acaba se perdendo na busca de "propriedades"?... A idéia psicológica de tempo é uma grande ilusão coletiva. Será que existe o tal ano velho e o tal ano novo. Na verdade o tempo não tem fim! O relógio não para e começa novamente a funcionar no início do ano! As dívidas, os juros, os problemas não ficaram zerados e como o tempo, não pararam. Não faltarão as grandes retrospectivas de crescimento político e social às promessas da esperança de um dos melhores anos da economia nacional. Para um povo que vive de promessas, nada mal! Nosso sortimento de promessas estará garantido para 2011. Não faltaram/ão declarações de políticos com suas mensagens maravilhosas para alegrar os sonhos da população. Parabéns por ter passado o natal e passagem de ano em paz com familiares e amigos, neste momento raro de confraternização, que se renova a fé e a esperança. Desejo a todos um 2011 recheado de momentos felizes, um abraço.
Carlos Portela Eduino

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A GUERRA NOS MORROS DO RIO DE JANEIRO


Num comentário de um dos comandantes da operação no controle das favela, aliás não considero comentário e sim uma desculpa para os que comandam a droga no Rio de Janeiro, ele foi enfático em dizer: “Nosso problema número um não é a droga, é o fuzil na mão dos bandidos, diz o secretário de Segurança do Rio”. Nós não estamos atras de drogas, estamos sim é querendo acabar com os armamentos que eles usam e estamos fazendo de tudo para que não morra nem eles e nem inocentes, etc. Discursos como esse estão sendo repetitivos, mesmo em uma mobilização como a que está acontecendo, daí se tem uma ideia de como as facções são protegidas e respeitadas. Como se as drogas nada tivessem a ver com as facções criminosas, muito embora não exista sociedade sem drogas.
Sabemos que a política, não é de hoje, é grande aliada do tráfico de drogas, e que não são só os pequenos políticos. Não é de hoje que tentam impedir que as Forças Armadas entrem nessa luta, alegando uma série de motivos, tentando justificar o injustificável. Foi preciso anunciar no Brasil, as Olimpíadas, jogos militares e Copa do Mundo, para que se tomasse uma decisão de enfrentar os narcos Traficantes em suas facções, que exercem um domínio sobre grande parte dos políticos, com destaque a governantes.
Não podemos mais aceitar que as Forças Armadas fiquem só na prevenção de guerras com outros países, se uma verdadeira guerra já existe dentro do nosso país. A prevenção interna contra a entrada de drogas e armas seria um grande passo nesta guerra, é só atuar. Mas será que os governantes querem isso? Nosso Acre é uma das principais rotas de entrada de drogas e armas, que tem em sua grande maioria como moeda de troca, veículos Brasileiros furtados/roubados e/ou golpe do seguro. O que está faltando é efetivo e com condições e equipamentos de trabalho para as polícias e Forças Armadas. Principalmente nesta fase de união de governantes comandando países com ligações de terrorismo e narcotráfico, que a cada dia que passa aumenta o envolvimento e a utilização do Brasil como rota.
Os bandidos que tantos querem combater, quem realmente são eles? São só aqueles que empunham fuzis nos morros ou são também aqueles que tiram o couro da classe média e os veste como peça rara de vestuário (impostos, esquemas e superfaturamentos)
Esses bandidos que estão sendo caçados nos morros são filhos de um Estado omisso e de uma política pública falida que fracassou em sua missão e agora não tem humildade de reconhecer sua derrota e inutilidade. E para não ficar de cabeça baixa diante do mundo, usa toda sua força como grito desesperado por algum resultado, que não trará a nada se também não mudar a forma de governar.
O tão temido tráfico de drogas, que mata muito mais que as drogas em si, não irá minguar com essa forma de governo.
Alguém realmente se preocupou para que o dia de hoje fosse apenas um pesadelo encrustado nos confins de uma mente insana? Acho que não. Por quanto tempo aquelas pessoas viveram as margens de uma sociedade e de um Estado que deveria as nutrir. Criticar é muito fácil para quem vê de fora. Apontar o dedo na cara daquele que “é diferente” e o culpar por algo que ele fez é fácil, mas querer entender o porque de ele ter feito algo é uma coisa que foge nossa boa vontade e de nossa responsabilidade teleguiada. 
Numa sociedade predominantemente consumista, onde o ter define o ser, aquele que nada tem é sempre visto, independente de onde more, como um ser inferior, como um sub-ser. Outros buscam por um certo status, que não deixa de ter um vínculo com “ ter”, já outros buscam uma certa emoção, ou um sentido na vida, mas numa sociedade de consumo, basicamente só é vivo aquele que consome, quem não tem é uma mera peça descartável. Deixo claro que não penso assim, mas o mercado por sua vez leva a crer nisso. Quem tem pode se envolver com o que é errado e não acontece quase nada, o que manda é o dinheiro para a boa defesa (compra).
A única arma que pode vencer uma guerra de forma derradeira é o bom senso, e quem o tem busca sempre uma alternativa definitiva, mesmo que seja a longo prazo, mas num mundo em constante mudança, onde tudo tem que ser para ontem, se não for assim não tem serventia, não presta, mas aqueles que assim pensam esquecem que apenas estamos aqui graças a uma lenta evolução, que mesmo trazendo em si uma involução, como já falava Engels, gerou como resultado equacional o ser humano como é hoje (mudando de formas sutis em cada região), um ser medroso, apático, anencéfalo e que crê em tudo que se falam.
Num mundo efêmero e descartável, as soluções tem que também ser assim. Tem que mirar o aqui e agora, e como a “solução” mais rápida é invadir um morro, onde também vivem milhares de inocentes que não tiveram opção de moradia, com tanques e armas pesadas, ele tem que ser tomado. Já a educação, essa sim a única solução para todos os males, é deixada de novo em segundo plano por demorar muito tempo, consumir muitos esforços, e de quebra não dá votos imediatos além de reduzir a massa de manobra que sempre vota nos mesmos quase bandidos.
Dominar os grandes foi fácil, bastou querer, embora tardiamente. O difícil é dominar a desigualdade social com crianças e jovens sem opções de vida, aterrorizando a população com pequenos roubos, assaltos, crimes, aparências de marginais, ao vivo no mundo das drogas e com a impunidade que os mesmos têm; coisa que em muitos países desenvolvidos a idade para punição foi diminuída e com punições mais severas. Se o Estado se importassem com esse povo a situação nunca iria chegar onde chegou. Os bandidos de hoje são o subproduto da política estatal, e como todo subproduto, deve ser eliminado para não contaminar o produto em si, e deixar as futuras safras saudáveis. É o que estamos vendo acontecer. Mas quando o próprio produtor está podre e decrepito, como fazer para ele não gerar mais produtos indesejados? 
Essa ação de invasão dos morros para pegar bandidos já vinham sendo planejada a tempo, mesmo assim foi dada a eles uma condição de fuga/evasão, foi preciso helicópteros particulares para mostrar, com imagens, a fuga, quase em massa, dos bandidos armados; parece até coisa combinada ou será que a utilização de helicópteros militares impedindo esta fuga proporcionaria um mal maior? … a quem e que mal? Esperamos que essa fuga não traga, num futuro próximo, atos de terrorismo.

www.cportela.blogspot.com

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

JUSTIÇA TERAPEUTICA



É um programa judicial de redução do dano social, direcionado às pessoas que praticam pequenos delitos e ao mesmo tempo são usuários ou dependentes de drogas lícitas e/ou ilícitas.
O binômio existente entre as drogas e a criminalidade, bem como a dificuldade que se tem em desfazê-lo constituem um grave problema social que pede soluções urgentes.
A Justiça Terapêutica, nova proposta de alternativa penal, nascida nos Estados Unidos da América e já adotada em alguns Estados brasileiros, consiste em um conjunto de medidas voltadas para que o criminoso, envolvido, principalmente com a utilização de drogas, receba tratamento, ou outro tipo de terapia, de acordo com o seu grau de utilização, quando verificados os requisitos legais; buscando-se, desta forma, evitar a aplicação de pena privativa de liberdade (penal) e possibilitar a melhor reeducação e reintegração deste infrator. O princípio básico do tratamento é a abstinência do uso de drogas com a realização de exames periódicos. A pessoa é inserida em um programa de tratamento, que normalmente dura pelo menos um ano, em que será feita avaliação de suas necessidades.
A pessoa que usa drogas tem problemas de saúde e precisa de ajuda. É uma forma de evitar que ela cometa crimes para conseguir a droga e se marginalize ainda mais.
    A questão da saúde no Brasil é muito delicada, embora exista uma obrigação legal para que o Estado mantenha unidades de tratamento. Se trabalharmos na prevenção do crime, poderemos economizar dinheiro na construção de novos presídios, nas despesas com os presos e ampliar o bom convívio familiar.
    A Justiça terapêutica, como é chamada a possibilidade de suspensão do processo em troca do tratamento do acusado, é aplicável tanto para as pessoas presas por causa da posse de drogas para consumo próprio quanto para as que cometem pequenos crimes com o objetivo de conseguir dinheiro para comprar as drogas. No tráfico de drogas, devido à gravidade do delito, não se aplica a Justiça terapêutica.
    A Justiça terapêutica é uma nova forma de o Judiciário ver a questão do uso de drogas. Ela parte do princípio de que se pode tratar o dependente de drogas e, com isso, evitar que ele cometa outras infrações penais. É, portanto, a Justiça Terapêutica a melhor forma de se garantir efetivamente a reintegração do usuário de drogas, que em razão delas tenha cometido crime; pois, ao possibilitar que ele trate o problema que o leva a delinquir, a pena estará funcionando como um remédio para curar a criminalidade e não apenas como meio de punição.
A pena deve ter natureza, não só de punição, pois o punir, simplesmente, não é apto a amenizar a criminalidade, basta olharmos para o entra e sai dos presídios e delegacias que a cada vez que vai preso ele volta pior, conclui que esse modelo de punição nada mais é que uma violência estatal. Desta forma, a pena deve ser instrumento de reestruturação social voltada para a manutenção da paz pública, permitindo a reparação dos danos causados à vítima e a reabilitação do criminoso.
Após identificar o infrator que tenha cometido um crime sob o efeito da droga, os mesmos serão avaliadas por uma equipe multidisciplinar, que contará com a participação de aproximadamente 10 pessoas entre profissionais de diversas áreas de atuação como bacharéis de Direito, assistentes sociais, psicólogos, pedagogos, psiquiatras e ouros de áreas afins, e encaminhadas para tratamento adequado.
Assim, pode-se dizer que a implantação do programa tem justificativa na necessidade de que soluções sejam propostas, no sentido de se amenizar este mal que assola a sociedade,
buscando-se, desta forma, evitar a aplicação de pena privativa de liberdade e possibilitar a melhor reeducação e reintegração deste infrator.
É, portanto, a Justiça Terapêutica a melhor forma de se garantir efetivamente a reintegração do usuário de drogas, que em razão delas tenha cometido crime; pois, ao possibilitar que ele trate o problema que o leva a delinquir, a pena estará funcionando como um remédio para a criminalidade e não apenas como meio de punição.

sábado, 16 de outubro de 2010

0 QUE ACONTECEU


Era uma vez um povo que cansado de não ver o desenvolvimento, optou por mudanças apoiando novos políticos acreditando em suas promessas, que ao chegar ao poder acreano, não souberam aproveitar o que mais de bom tem o nosso povo, em sua humildade, e tentaram enganar com maquiagem, toda as esperanças de ruas, ramais, escolas, saúde, educação, impostos, liberdade, empregos, segurança e melhores dias.
O que vimos e continuamos vendo, foi a implantação de um sistema tipo o de ditadura, dando cargos, chefia e poderes a pessoas não preparadas para tal, com apenas a qualificação de os mesmos serem partidários; que tratam seus então subordinados na forma de coação à aqueles que não pertencem a agremiação política. Que assim foram esmagando, pouco a pouco, grande parte de nossa população.
Esquemas de trabalho, político e econômico foram montados visando o poder, deixando o ser em segundo plano, contrariando assim a função primordial de um poder executivo, que é a de dar melhores condições de vida a população com empregos, moradia, saúde, boa educação, esporte, lazer, cultura, bons ramais, boas ruas, bom saneamento básico. etc. E não o enriquecimento de pessoas aliadas.
Foi brincado com o sentimento de nosso povo, que sabiamente reagiu com aquilo que é de mais precioso de uma “democracia” que é o voto, mesmo esse sendo obrigatório, e que aos poucos está sendo descoberto que é secreto, por aqueles que se sentiam forçados a votar em candidatos através da imposição.
O que mais se ouvia falar e reclamar em relação ao sistema de governo, não daqueles que são afiliados ou que possuem cargos e empregos, era o que segue; mesmo assim pensavam eles que o poder era tanto ao ponto de não respeitarem a vontade e os anseios populares, alguns audaciosos e mafiosos, chegam ao ridículo de dizer “eleição se ganha é no dia, para quê se preocupar com o que o povo fala":
           Alguns itens que retratam "O QUE ACONTECEU", nas eleições
- Mexeram nas divisas dos  municípios, aqui no alto acre, além de tirar o Seringal cachoeira de Epitaciolândia,  cruzaram o rio para reporem terras  de Brasileia para Epitaciolândia. Infligindo o limite natural de uma divisa. Tirando também terras de Brasiléia  e passando para Assis Brasil;
- Nossos representantes, impostos por eles, nada fizeram na defesa de nosso povo;
- Surgimento de empresários aliados, que logo se tornam os donos de todos os serviços e obras, continuando e aumentando o superfaturamento em relação a qualidade dos serviços;
- A terceirização de serviços, como os da penitenciária e das viaturas oficiais, além de outros;
- Prefeitos, vereadores, deputados, senadores, além de secretários, sem autonomias e capacidades para tal, tem que fazer o que alguns querem, inclusive terem que se renderem e se calarem a pessoas agregadas; me parece que esses agregados, que agem como ditadores, são os que mais crescem financeiramente, deixando aqueles tradicionais na lama, e na migalha;
- Estão usando o poder para se arrumarem;
- Acabou com as pequenas serrarias, aquelas que os pobres podiam comprar madeiras, e deu origem a algumas serrarias de grande porte para atender ao capital estrangeiro;
- O homem da floresta, que nasceu e se criou na mata, que a procura de melhores dias na rua, não pode tirar uma arvore para a construção de sua pequena casa; mas que os grandes e aliados podem tirar carretas e mais carretas de madeiras que a todo dia vemos nas estradas;
- Fizeram uma Lei do Desarmamento criando as piores dificuldade para o homem do campo/floresta, tentando impedir que os mesmos  tenham sua espingarda, são tantas regras e taxas até para se comprar a pólvora, isso sem falar da taxa de renovação, que é um absurdo para o homem do campo;
- Tiraram dos sindicatos, sindicalistas, movimentos sociais, o poder de luta, que mudaram de posição perdendo sua identidade de estar ao lado do povo;
- Imposição de cargos e chefias, imposição de candidaturas de cima para baixo satisfazendo a grupos que determinam o que querem e o povão tem que engolir;
- O Acre não é mais Acre, agora é Acri;
- Nós fomos criados sabendo que amanhecia o dia as 6h horas e que a noite chegava as 18 horas, agora temos que aceitar o fuso horário que foi imposto sem a consulta popular;
- A taxa altíssima dos impostos aos produtos da floresta, só visam ganhar dinheiro e favorecer a aliados, deixando os verdadeiros donos das terras sem os benefícios naturais, como da madeira, da carne, da castanha e outros, que deveriam, pelo ao menos, serem isentos de imposto para os acreanos.
- O desmatamento que só pararam para o pequeno produtor, e esses é que estão levando multas.
- A criação de gado, de forma empresarial, para atender outros estados e países só aumenta a cada dia que passa, aumentando também o desmatamento para a  formação de campo; ou será que no Acre se cria gado sem campo?
- O boato de que com a vinda da criação de Galinha em forma de granja, vai ser totalmente proibido a criação de galinha caipira rompendo assim uma tradição e um costume secular. 
- As polêmicas do 13 na castanheira e da estrela do helicóptero;
- As pesquisas manipuladas;
  • No ensino já não tem a matéria Educação Moral e Cívica, foi proporcionado a criação de dezenas de partidos políticos; tudo isso para facilitar o anarquismo, o não patriotismo. A ideia de família, de capacidade, está ficando para o passado, tudo isso me parece planejado. O Brasil que tínhamos em nossas mentes já mudou e ainda não percebemos e estamos se comportando como nada tivesse acontecendo; as fronteiras estão abertas, é Brasil com Irã, com Cuba, com Bolívia, com Venezuela, com, com. Com..... Já até aceitamos uma pessoa sem a Formação Universitária para ser o mandatário da nação, que não ver e não sabe de nada do que acontece de errado, que diante de sua formação e convivência, não poderia ser outro o perfil  escolhido   para a sua sucessão. Será isso respeito aos inúmeros políticos existentes e aos anseios de nossa população? O nosso Acre até foi desrespeitado, em relação à candidata Marina.
      Diante de tudo isso o resultado das urnas foi um aviso para que seja feita uma auto avaliação, que traga direito, respeito, dignidade, confiança e liberdade a nosso povo.
        Isso era  o que se ouvia nos bastidores do dia a dia”

sábado, 25 de setembro de 2010

DE QUEM É A PACA




Era uma vez um colono que estava indo para a cidadezinha, onde estão vivendo a sua família; que depois de tantos anos de trabalho, tiveram que ir morar na rua em busca de melhor opções para os filhos, ficando ele na responsabilidade do sustento da família, continuando na mata. Passou a semana sozinho na colonia e como era época de “lua boa” foi esperar e matou uma paca, animado ele falou, vou levar para casa, essa dar para agente comer três refeições. No caminho de casa encontrou a Polícia na estrada, ele trazia sua paca escondida, mas mesmo assim eles acharam. - De quem é essa carne de caça.- É minha moço. - Você não sabia que é crime matar animais silvestre. - Mas moço é pra minha família comer. - Não pode, na rua tem outros tipos de carne: de boi, de porco, de galinha. - Mas moço nóis não tem emprego não. - Mesmo assim o colono ouviu a ordem de prisão e foi algemado. - Moço não faça isso comigo não, sou um pobre trabalhador que nasci e mi criei no mato e apesar de não ter estudo nunca fui preso. - Pois é, o senhor vai ter que ser encaminhado para a delegacia.
Na delegacia. - Seu delegado o senhor não pode fazer isso comigo, eu tenho uma família para sustentar e que precisam de mim. - Poies é, você vai ter que ser preso, é crime ambiental e começou a sitar os artigos da Lei que ele iria ser enquadrado. - Não faça isso comigo não.
Essa paquinha, pensava eu ser um direito meu tirar da floresta o meu sustento e da minha família para alimentação, eu pensava que era uma coisa dos colonos que na mata vivem, a minha família é da mata senhor, estão na rua a busca de melhores condições de vida e de estudo aos filhos, si não ficam que nem eu e a mulher, eu vou para a colônia sozinho, pois meus filhos todos de menor a Lei proíbe deles me ajudarem. Seu delegado essa Lei que o senhor falou está acabando com o homem da floresta; eu não posso nem tirar uma madeira para fazer a casinha na rua, eu tenho muita madeira lá, ainda consigo trazer um pouquinho escondida; eu não posso mais botar um roçado, se eu derrubar a mata posso ser preso, se eu queimar também. - Mas tem como você botar roçado sem que derrube a mata. Mas como, se o governo não dá máquina e mesmo dando o roçado não dar bom. Tirar uma árvore até mesmo para vender e comprar umas coisinhas não posso. - Mas você pode tirar de forma legalizada. - Mas como? Esse tal de manejo só é pros grandes, eles sim podem derrubar a floresta e tirar madeira dizendo que é de forma legal, como se a natureza entendesse a diferença de um desmatamento legal de um ilegal, isso é coisa que eles criaram para ajudar eles mesmos; depois que fizeram essas Leis a mata continua sendo derrubada e em grande quantidade; pra criar gado pode derrubar, pra fazer um roçado ou tirar uma árvore é proibido e tem Lei, e o gado nem ajuda a nóis, vai todo pra fora por um preço bom, que obriga a nois pagar a carne cara quando pode, a madeira também vai toda pra fora, para o estrangeiro por um preço que nóis aqui não podemos pagar, eles derrubaram a mata evoluíram e ficaram com grandes cidades com tecnologia e bons empregos e tem dinheiro para pagar caro, agora nóis qui vivi aqui na mata, isolado de transporte e de tudo, sem imprego e sem condições financeiras não podemos nem comprar uma dúzia de tábuas da floresta que é nossa, porque é muito cara, as serrarias e madeireiras para pobres já não existem mais, o governo proíbe todas com tantas exigências, mas as dos ricos podem, eles tem condições e esquemas para ganharem dinheiro, e nóis aqui não somos nem atendidos por eles quando queremos poucas dúzias de tábuas. Seu delegado não faça isso comigo. - Eu estou só seguindo a Lei. - Quer dizer que a Lei só existe para pobre, que tem que se contentar só com esmolas, é isso! Eu mato uma cacinha vez por outra para o meu sustento, na floresta que é minha, mas em cem hectares que o grande derruba para criar gado, quantas caças eles destruíram! o senhor já prendeu algum desses, eu nunca nem vi falar de um fazendeiro preso, só sei que todo ano ele aumenta o campo. Nas estradas o que agente mais ver é carretas e mais carretas transportando toras de madeiras dos ricos. - Recolhe ele, o senhor já falou de mais. - Ei moço dê a paquinha pra minha mulher levar.
portela@contilnet.com.br

"Se duvidas, esperem"



Publicado na

quinta-feira, 19 de março de 2009

"Se duvidas, esperem"

Diante de uma conjuntura formada na América do Sul, e de como estão acontecendo as políticas nas maiorias dos países Sul americanos,com apoio de outros paises, não pode se duvidar que Lula seja candidato novamente a presidente, ou se caso não der certo, poderá ganhar Dilma, ou quem eles quiserem. "Se duvidas, esperem". Veja também o que poderá ocorrer na Bolívia? Não se surpreenda.
                                                  Carlos Portela

terça-feira, 7 de setembro de 2010

DEPENDÊNCIA QUÍMICA – ÉTICA E PREVENÇÃO

O Brasil de hoje caracteriza-se pelo aprofundamento das crises sociais decorrentes de uma política neoliberal cuja consequência maior é a miséria absoluta de boa parte da população, cujos indivíduos tem como profissão "ser desempregado". Somado a isto, a crise dos valores faz parte da sociedade na qual "quem não rouba e/ou trafica é bobo" e "quem rouba, mas faz", são introjetados e vistos como naturais por grande parte da população. E é esta sociedade da qual somos cúmplices, em que o Ter estar substituindo o Ser. A dependência química é uma doença física e emocional reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e codificada no Código Internacional de Doenças sob o n° 304.8-2. Esta doença, além de ser incurável é progressiva e fatal, devido ao abuso de drogas que alteram o humor psíquico.
A humanidade sempre foi atraída pelas drogas, seja pelo uso medicinal, religioso ou recreativo. O álcool sempre esteve ligado à cultura judaico cristã, a cocaína à cultura andina, a maconha difundiu-se no mundo ocidental através dos negros, os nossos índios, além do tabaco tinham suas beberagens euforizantes, os gregos antigos utilizavam cogumelos alucinógenos, enfim, parece que sempre foi difícil manter a sobriedade ao tempo todo. 
A família, segundo o modelo tradicional, ainda é o núcleo básico da sociedade e que dá bases de sustentação e estruturação do ser humano. É nela que os valores básicos éticos e morais deveriam ser assimilados para que o indivíduo viesse conviver dentro das normas da sociedade em que está inserido. No final dos anos 1980 e início dos 1990 começou-se a falar de uma nova composição familiar dado aos novos tipos de casamentos ou associações conjugais. O crescimento dos divórcios veio estabelecer uma estrutura na qual os filhos passaram a conviver não só com os pais, mas namorados dos mesmos e seus filhos, outros irmãos nascidos destas relações, enfim foram criados novos parentescos que substituiu a família natural. A insegurança natural que precede a idade adulta e os questionamentos a ela inerentes, sempre fez parte da natureza humana, entretanto dada as condições sociais e familiares da sociedade atual os conflitos internos do adolescente acirraram-se cada vez mais. É na passagem da infância para a adolescência que o indivíduo começa a socializar seus problemas. O conflito entre não ser mais criança e nem adulto leva-o a buscar a segurança perdida. É o momento de estruturar sua identidade e afastar-se da família, buscando nos grupos valores para ser aceito. E é nesta busca incompreendida que maioria dos jovens conhece as drogas.
As famílias dos jovens dependentes são tão doentes quanto seus filhos. Ela é codependente. Enfim, além da doença familiar, existem outros dados que afetam o contexto no qual ela vive. A insegurança quanto ao desemprego, o medo a violência, valores éticos desfeitos, etc. Levando pais a superprotegerem seus filhos, ou a abandoná-los, substituindo o amor e atenção, por objetos de consumo que amenizem a culpa da não participação constante na vida dos filhos, devido a necessidade financeira, de até a mãe ter que trabalhar fora para o sustento da família.
Os problemas que advém do consumo de drogas dentro das escolas deve ser tratado de forma a encaminhar o jovem dependente não à polícia, que provavelmente o encaminhará para uma instituição de menor, mas de forma a propiciar o tratamento e futura reinserção do mesmo na sociedade. ferramentas educacionais podem ser construídas para facilitar ao adolescente mudanças de atitude, que o tornará mais confiante em suas escolhas, nos conhecimentos que possui passando a viver com maior responsabilidade. “A prevenção das drogas e o tratamento do usuário devem ser prioritários em relação a repressão ao uso.”
Diretores, equipes técnicas e professores desencantados, preferem fechar os olhos ao que acontece no interior da unidade escolar. Para eles a saída da crise deve vir do Estado e o Estado, por sua vez, aponta os professores e sua má formação como um dos maiores problemas a ser enfrentado na educação brasileira. A quem cabe educar e prevenir estes jovens e adolescentes contra o abuso de drogas, álcool, sexo sem preservativo, etc. ?
Diante disto, coloca-se que é dever da família educar seus filhos, depois a escola e finalmente o Estado. Uma política de prevenção de drogas e Aids nas escolas deve ter como prioridade a formação contínua dos professores e o envolvimento da família no esclarecimento das consequências do uso abusivo de drogas e como encaminhar seus filhos para um tratamento adequado.
São poucos os professores que tem as reais informações sobre as características de um usuário de drogas, e isto contribui para repressão e exclusão do mesmo do ambiente escolar. A repressão policial, utilizada em muitas escolas, em nada contribui para o equacionamento do problema; polícia aqui, ainda é sinônimo de repressão e em sua maioria não está preparada para atuar com crianças e jovens dentro da escola.
A escola precisa inserir-se no meio no qual está localizada, considerar suas peculiaridades e abrir espaços para que os jovens e adolescentes possam construir uma realidade melhor. As possibilidades criativas do adolescente são inúmeras, porém precisam ser canalizadas através de projetos pedagógicos conjuntos que favoreçam uma relação de confiança entre o professor e aluno. A prevenção parece ser a única saída, já que a luta contra o narcotráfico tornou-se inviável. Neste sentido a sociedade civil articulada pode criar mecanismos que atraiam os jovens para projetos no qual sintam-se participantes e construtores de uma sociedade mais justa e igualitária.
Existe, portanto, uma necessidade premente de valorizar a pessoa humana e a vida. Se a utilização e abuso de drogas está ligado ao prazer imediato faz-se necessário que possamos propor alternativas de formas saudáveis de prazer, valorizando o corpo físico e mental sem a autodestruição consequente. A abordagem repressiva ou a "pedagogia do terror" não tem surtido qualquer efeito junto aos jovens, por isto é importante que a educação resgate seu lado humanístico, não isolado da vida social. Valores éticos e morais como: respeito aos outro a si mesmo e ao meio ambiente, cidadania, cooperação, verdade, honestidade, disciplina, responsabilidade, justiça, etc. Também devem ser priorizados.
Reconhecemos o poder persuasivo das drogas, álcool e tabaco e suas consequências no corpo humano. Reconhecemos que as drogas agravam diversos problemas sociais como a criminalidade, violência, saúde, entre outros e custa à sociedade uma grande parcela de suas despesas.
A população em geral considera os dependentes químicos como pessoas fracas, sem caráter e não como uma doença. Porém, quando consideramos como uma doença, podemos olhar sob outra perspectiva, Nessa situação, a maioria das pessoas precisa de tratamento e de ajuda competente e adequada, já que a dependência é provocada por uma reação química no metabolismo do corpo. O álcool, embora a maioria das pessoas o separe das drogas ilegais, é uma droga tão ou mais poderosa em causar dependência em pessoas predispostas, quanto qualquer outra droga, a sensação de satisfação e um impulso psíquico provocado pelo uso da droga que faz com que o indivíduo a tome continuamente, para permanecer satisfeito e evitar mal estar. O papel de educador, sem dúvida vai muito além dos conteúdos programáticos que, devem levar aos alunos. Devemos lembrar, também, que em nossas filosofias consta ensinar, educar e preparar para a vida e neste sentido, o que estamos fazendo? O ser humano é produto de sua atividade em seu meio social que, em interação com “os outros”, realiza, transforma e muda o curso de sua história.
É preciso também entender esta questão da emoção, da afetividade, pois observa-se que nas escolas esta questão encontra-se ainda em um discurso com olhar pejorativo, como se fosse uma permissividade total, ou com olhar de “coitadinho” e não é nada disso. A afetividade está em abrir e estender o olhar, para dialogar, ensinar, aprender e viver com um ensino de qualidade e a autoridade necessária que inclui, não o autoritarismo que exclui e abre caminho para o mundo enganoso das drogas. 
As autoridades querem prestar contas à sociedade que desacredita em qualquer manifestação que tenha como objetivo atacar este problema de frente, com algumas ações policiais prendendo, matando traficantes. Afinal, quem ganha com o tráfico de drogas? Policiais, cargos eletivos como de deputados, senadores corruptos, empresários ligados à políticos são apontados pela mídia através das CPIs como responsáveis pelo aumento do tráfico no Brasil.
Para tratar um dependente é preciso tratar suas comorbidades psiquiátricas, é preciso medicação e psicoterapia, mas, sobretudo, é preciso uma atitude social e familiar de responsabilização do dependente pelo seu comportamento e pela sua decisão de se tratar. O paternalismo e a comiseração somente alimentam a doença. 
“A dependência química é um fenômeno psíquico, é um problema sério de saúde pública e seu combate não se confunde com o combate às drogas”
O art. 23, II da Constituição Federal diz que cabe à União, Estados e Municípios “cuidar da saúde” e, no art. 30,VII diz que cabe ao município, prestar serviços de atendimento à saúde da população,” ou seja, cabe aos três entes federativos cuidar da saúde, mas a prestação dos serviços, ficará a cargo dos Municípios, que o farão com apoio técnico e financeiro do Estado e da União.
O art. 227 da CF/88 reconheceu que o direito à saúde da criança e do adolescente deve ser tratado com absoluta prioridade e, em seu §3º, VII definiu que a proteção especial inclui “programas de prevenção e atendimento especializado à criança e ao adolescente dependente de entorpecentes e drogas afins.”
Assim, o Município tem o dever legal de prestar este tipo de serviço para sua população, criando e mantendo, com a concorrência de verbas públicas federais e estaduais, uma instituição terapeuticamente adequada para tratar seus adolescentes em estado de risco social, em face da dependência química.
“Vejo a necessidade da comunidade cobrarem dos políticos ações voltadas ao atendimento e prevenção de dependência química, já que os mesmos não se manifestam, sendo os principais responsáveis pelo que estamos vendo, principalmente nos bairros periféricos; isso é que dar votar por votar.”
portela@contilnet.com.br

sábado, 14 de agosto de 2010

AMAZÕNIA AMEAÇADA

Para pensar
Este é o País que se curvou a Chavez, Evo Morales, Iran . . .
Este é o País que saber um segundo idioma é considerado desnecessário.
Este é o País dos " mensalões
Este é o país que é normal o governo confiscar mais de 5 meses do seu salário. 
Este é o País que tem Leis, mas que os Tribunais não as aplicam - Vide Ficha Limpa.
Este é o País sem memória.
Este é o meu País.


AMEAÇA DE PERDA DA AMAZÔNIA BRASILEIRA
Falamos aqui sobre o risco iminente de perda de grande parte da Amazônia Brasileira para os “donos do mundo”, em virtude do colaboracionismo e da conivência de grande parte das autoridades brasileiras incrustadas nos três poderes da República.
Vários foram os alertas, principalmente sobre as intenções do Conselho Indígena de Roraima (CIR) da criação de um estado independente, e da forma de como estão aceitando a enorme quantidade de ONG'S na amazônia, infiltradas de estrangeiros dando uma de assistentes sociais com passes livres para fazerem e desfazerem, que na realidade estão é induzindo os indígenas a lutarem por reservas cada vez maiores e até criando milícias com os mesmos. O poder do índio já é tão grande ao ponto de as autoridades se curvarem diante de muitos problemas causados pelos mesmos, com isso e com o apoio e infiltração de Ong's sabe-se lá onde vão chegar, já que são acobertados internacionalmente.
Causa dúvidas o silêncio da mídia amestrada, bem como a ausência de comentários dos candidatos à presidência da República sobre assunto de tal relevância para o país, em especial para as gerações futuras. Discutem futilidades em debates engessados, em paralelo a pesquisas viciadas, capazes de apontar os resultados desejados pelos que pagam a fatura, enquanto a problemática vital enfrentada pelo povo brasileiro é negligenciada.
Segundo um artigo de Marcos Coimbra
Nenhum dos quatro principais candidatos revela-se capaz de enfrentar os desafios exigidos pela sociedade brasileira. O despreparo da candidata Dilma é de estarrecer. Seria, no máximo, uma razoável candidata a vereadora de um município interiorano.
A outra candidata também apresenta uma fragilidade gritante, defensora de uma agenda ditada pelos interesses da Casa Real da Inglaterra, no relativo ao meio ambiente; mas que no mensalão ficou calada. O octogenário candidato do PSOL apresenta um ideário do século retrasado.
Sem dúvida, o mais bem preparado deles é o candidato Serra, porém ele também possui compromissos inaceitáveis para os brasileiros patriotas. Em momento algum, até o momento, apresentou um embrião de um Projeto Nacional de Desenvolvimento. Também não foi capaz de aprofundar o debate sobre questões vitais para o Brasil, ignoradas nos últimos debates.
Todos são incapazes de adotar uma postura firme de oposição aos descalabros perpetrados pela administração petista na esfera internacional, que constituem sérias ameaças ao Brasil, tais como: a concreta ameaça de perda da Integridade do Patrimônio Nacional (floresta, rios,....) e da Soberania, as notórias ligações perigosas com grupos terroristas e narco terroristas internacionais ligados ao Foro de São Paulo, a indefensável política externa de submissão aos interesses ideológicos "chavistas", a inacreditável "doação" de cerca de US$ 4 bilhões anuais a outros países, por razões discutíveis, os financiamentos feitos à companheira Bolívia, os milhões dodos ao Haiti, enquanto isso o povo brasileiro padece de falta de condições primárias de atendimento às necessidades coletivas e outras; principalmente ao homem da floresta.
Isto sem falar da herança ´´maldita´´ deixada pelo desgoverno no âmbito interno, no relativo à aceleração do processo de desagregação social, com sérias repercussões na Paz Social, ao estímulo à agressão ao instituto da propriedade privada, à caótica situação da infra-estrutura econômico-social, à corrupção desenfreada em todos os níveis da administração, ao "aparelhamento" político-partidário de dezenas de milhares de cargos de confiança nas administrações, às autoritárias iniciativas de caráter autoritário, tais como as leis do desarmamento do cidadão, a da palmada, de cerceamento da liberdade de imprensa, das COTAS para índios mulatos e negros, além de outras. E o que se vê são cadeias cada vez mais cheias de pobres e cidadãos vivendo aprisionados em suas casas sem a segurança de andarem pelas ruas, praças, festas.
Da falta de investimento em saneamento, dos problemas que serão repassados para a futura administração, abrangendo compromissos da ordem de dezenas de bilhões de reais de restos a pagar, do Bolsa Milionários, da ridícula situação da educação nacional, com mais ou menos 40% da população ou analfabeta ou em estado de analfabetismo funcional, e, o pior, a implantação da cultura do assistencialismo e do clientelismo.
Até que limite o tecido social suportará tal esgarçamento, sem trágicas consequências? Urge que a sociedade brasileira reaja a altura do antagonismo existente, objetivando vencê-lo para a tranquilidade da Nação. Já está passando do ponto o momento da ação reparadora e tranquilizadora.   portela@contilnet.com.br

terça-feira, 6 de julho de 2010

FUI AO CARNAVALE E LEVEI UMA MULTA

FUI AO CARNAVALE E LEVEI UMA MULTA



Em um dos maiores acontecimentos cultural do Vale do Acre, o CARNAVALE atrai milhares de pessoas para o evento em Brasiléia, os hotéis ficam sem vagas, as casas ficam lotadas de parentes e amigos, as praças movimentadas, os quintais ficam lotados de pessoas que não conseguiram um local para ficar, nas ruas o difícil é encontrar uma vaga para estacionar, no centro comercial de Cobija quase não se podia andar de tão grande o movimento de turista que vieram para o evento e aproveitaram para as compras, nos restaurantes e lanchonetes nem se falam o tamanho do movimento.
Um destaque especial para segurança do evento, com isso ajudou na qualidade da festa com o índice de acidente quase zero e com pequenas ocorrências policiais, com isso dando o direito das famílias participarem com a certeza de segurança. Mas como nem tudo é perfeito ficaram alguns comentários.
É sabido que festa de folia tem que ter bebida, os organizadores do evento sabem disso, é tanto que cobraram caro das barracas de bebidas alcoólicas, pegam altos patrocínios da distribuidora de cerveja, permitiram a mistura como a do Capêta, cerveja suja e outros tipos de bebidas, e até wisque era vendido em bandejas com garsom andando pela multidão. O Carnaval, como qualquer tipo de evento ligado ao mesmo, é movido a bebidas alcoólicas e não se vai mudar esta característica cultural que vem rolando desde a sua existência, e por isso o evento é grandioso. Mas a parceria entre o DETRAM e a Polícia Militar, fizeram com que alguns agentes da PM e também de alguns Agentes Autoridades de Transito do próprio Detram, que talvez sem o amadurecimento necessário, agiram em desacordo com a característica do evento, usando até comportamento de como eles pensam ser o de um oficial, como o caso do soldado Bleisom Costa e dos Agentes de Autoridade de Transito do Detram Jones Costa e Alley Angelo, que talvez se empolgaram por ter na sua função o nome AUTORIDADE. e que não perdoavam o que estabelece a Lei de Transito no tocante a Bafômetro nos casos mais simples, parecia até que estavam ali era para arrecadar dinheiro e não paravam de fazer autuações, enquanto isso as duas pontes de saída para o estrangeiro permaneciam sem policiamento, talvez porque o roubo de um veículo ou outro tipo de delinquência, não gere arrecadação. Para o evento foram consideradas a redução/abrandamento de muitas Leis, como a permanência de menores no local, interdição de ruas, permitir estacionar em faixas de pedestre, sons bem acima do limite permitido, reunião de grupos em bebedeiras, carros em cima das calçadas, carros atrapalhando as entradas das casas. etc. etc.
O CARNAVALE proporcionou um ambiente de bebedeira, me parece que o setor de transito aproveitou a ideia para a arrecadação através da multa daqueles que estavam dirigindo a procura de um local para estacionar o seu veículo com os familiares e amigos através do teste bafométrico de um resultado de quem apenas bebeu poucas doses de cerveja; não falo aqui dos que se excederam na bebida, esses sim podem tirarem o brilho da festa e por isso serem punidos com mais rigor. Pelo movimento e o trabalho dos Agentes AUTORIDADE de Transito, me parece ter havido centenas de autuações, isso a um custo de quase mil reais cada uma, (cem multas são quase cem mil reais), isso dar para cobrir muitas despesa de eventos, contrariando a função social de quem está a frente de um poder executivo, que é a de proporcionar e investir em atividades desportiva, eventos culturais etc. Art. 6º da constituição federal. "Foi jogado ração em um açude e depois lançaram a tarrafa, claro que foi fácil pegar muito mais peixe". Será que a mesma organização faria um evento evangélico e disponibilizaria uma equipe de Agentes Autoridade de Transito da mesma magnitude da do Carnavale, ai sim eu diria que só estariam preocupados com a prevenção, e não com a arrecadação.
portela@contilnet.com.br

sexta-feira, 11 de junho de 2010

A MÁFIA DO HEXA II

Brasil o país do futebol. “Que bom seria que nas copas do mundo de quatro em quatro anos, o Brasil mandasse no seu futebol”.
Porque será que na copa passada, nossos jogadores não jogaram? Porque nossos técnicos não se esforçaram e se manteram cabisbaixos? Será que nossos jogadores amarelaram contra a França???
É sabido que quem organiza o mundial é uma empresa (FIFA), e como toda empresa visa o crescimento e o lucro. A copa do mundo procura a cada quatro anos a tecnologia e a astúcia para se manter como o maior e melhor evento esportivo do mundo. E este esporte não seria grande se só existisse em alguns países, e tão pouco se só existisse no Brasil. Os organizadores sabem e muito bem a necessidade de expansão e difusão do futebol a nível mundial, e que não é a toa que a cada copa estão surgindo novas seleções e com competência. (EUA, Vários países da África, Japão, etc.).
O Brasil tem time para ganhar quase todas as copas, o que não seria bom para os organizadores do evento. Se observarmos, a cada quatro anos a copa é realizada em um país previamente estratégico, organizado e elaborado por “cabeças pensantes”, e como eles são os donos da competição, os mesmos exercem um domínio estratégico sobre os resultados e as possíveis regiões ou países que devam ser a campeã, ou será que não? Será que o Brasil, na copa passada, com os melhores jogadores do mundo, desde o primeiro jogo, não era para ter apresentado seu futebol? E que não apresentou, até chegar ao ridículo que foi a maneira de como perdeu para a França. Num ato de covardia e desrespeito com o povo brasileiro bem como os espectadores do mundo que pretendiam ver um show de bola, por considerá-los os melhores do mundo. Faltou aos jogadores brasileiros garra e autonomia para dizer não a suposta máfia e mostrar a beleza do futebol ao mundo. Não foi visto por parte de nenhum jogador a garra e o repúdio a tal atitude, que aceitaram calados não honrando os milhões que ganham e que pelo ao menos deveriam dar este momento tão esperado de felicidade aos brasileiros que não mediram esforços em se unirem para torcerem, escondendo as desilusões e desavenças, mesmo que temporariamente, em um dos poucos momentos onde existe a afirmação do país, enquanto uma nação. Bertoldo Brecht já proclamava: “triste o país que precisa de heróis”. O Brasil ainda precisa deles, infelizmente.
Admiro o Boxeador Mike Taison, que excluía qualquer tipo de acordo por parte dos dirigentes do evento, e partia para vencer o adversário ainda no primeiro minuto de sua luta, sempre mostrando porque era o melhor.
Pelé, o maior jogador de futebol, até parece que já sabia da “tramóia”, quando mostrou que a seleção brasileira era difícil de ser hexa campeã na copa passada.
“Se o Brasil ganhasse pela sexta vez a Copa do Mundo, seria pela segunda vez campeã na Europa, coisa que nunca aconteceu. Nunca um não-europeu ganhou na Europa, a não ser o próprio Brasil, em 1958 porque surpreendeu todo mundo com sua garra iniciada por alguns jogadores do grupo, coisa que ninguém esperava. Todas as vezes que jogou a Copa do Mundo num país sem tradição em futebol o Brasil ganhou. Foi assim em 58 na Suécia, em 62 no Chile, em 70 no México, em 94 nos Estados Unidos, em 2002 no Japão. Então, a possibilidade de ser hepta campeão seria enorme na África do Sul. A outra Copa, em 2014, será aqui no Brasil; então se tivesse ganhado a de 2006, e pela lógica poderá ganhar essa da África e também ganhar a 2014 no Brasil, assim seria octa campeã isolado na frente das demais seleções. E aí ficaria monótona a copa do mundo” para o mundo, claro que para os brasileiros seria ótimo. “Será que isso seria bom para a maior organização esportiva do planeta, que vem buscando a cada copa expandir o futebol com qualidade em todos os continentes, e diga se que vem conseguindo e com sucesso”.
Ninguém gostou do comportamento na Copa. Ninguém gostou da derrota para a França. Aliás, ninguém gostou de como perdemos para a França. Perdemos sem jogar. Perdemos sem lutar. Um treinador sem comando? Um time de estrelas sem garra? Mas pior do que a derrota, que o brasileiro historicamente rejeita em qualquer circunstância, foi o time ter saído de campo no jogo contra França, de forma desunida; Ignorou a torcida no estádio; deu as costas para o orgulho nacional; comportou-se como uma seleção privada; saiu pela porta dos fundos; os jogadores foram dispensados após o jogo; Volta para o Brasil quem quiser e poucos vieram. O que isso significou?
“O melhor futebol do mundo, talvez não teve concorrente para a escolha dos melhores jogadores desta competição”. É o preço que podemos pagar, espero que não. Vamos torcer esperançosos para que esta “empresa privada de Dunga”, não nos decepcione mais uma vez e que sua estratégica seja para o bom, bonito e honrado futebol, mesmo que não consiga o primeiro lugar.

Carlos Portela Eduino

quarta-feira, 2 de junho de 2010

MORRE QUEM IMPEDIA O TEU CRESCIMENTO

-->
Foi colocada uma grande faixa em uma praça de uma pequena cidade, “hoje faleceu a pessoa que impedia o teu crescimento” o velório será na quadra de esportes amanhã a partir das 16:00h.
Era grande a curiosidade dos empregados, estudantes e de todos que passavam por lá. Ao se aproximar a hora do velório, foi grande a movimentação que foi até preciso fechar a rua, quando foi aberto o portão, lá estava o grande caixão acompanhado de um som fúnebre, foi organizado uma grande fila, todos ansiosos para verem quem estava no caixão. Conforme iam se aproximando aumentava a curiosidade no caixão. “Quem será que está impedindo o meu crescimento, o meu progresso? Que bom que este infeliz morreu”. Comentários desse tipo era o que mais se ouvia.
Um a um se aproximava, olhava, olhava o defunto tragava saliva, parava alguns segundos num verdadeiro silêncio como se alguma coisa tivesse tocado o fundo de sua alma; Pois bem, no fundo do caixão tinha um espelho onde cada um via a si mesmo, e nele estava escrito a frase “ Só existe uma pessoa capaz de limitar o teu crescimento, É TU MESMO”.
Na verdade tu é a única pessoa que pode fazer uma revolução na tua vida, é você quem pode se ajudar.
Tua vida não muda quando muda a do teu chefe, quando teu amigo muda, quando tua família muda, quando o teu par muda; Tua vida muda quando tu muda, tu é o principal responsável pela tua vida.
Faça uma auto reflexão e não te deixes vencer. O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos. A maneira de como tu encara a vida é o que faz a diferença. Aproveite mais as coisas úteis que as agradáveis, a vida é bela, o lazer é bom, a moleza é boa, mas se não souber-mo valorizar o trabalho, os estudos, os compromissos, as obrigações; o risco de enveredar-mos em busca de coisas, aparentemente boas, como não ter hora para dormir/acordar, passar o dia em frente a uma televisão/computador, sair muito durante o dia/noite, bebedeiras/curtição, não valorizar o saber, etc; Que na realidade podem te levar a um caminho quase sem volta é grande e seu fim pode ser trágico. É sabido que dependemos uns dos outros, do sol, da lua, da terra, do governo, etc, seus familiares, seus amigos, em fim a sociedade ficam triste com o teu fracasso, mas espero que esta simples mensagem de reflexão seja bem aproveitada. Sejas feliz, pense e atue.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

INTERNACIONALIZAÇÃO DA AMAZÔNIA


Durante debate em uma Universidade, nos Estados Unidos, o ex-governador do Distrito Federal, CRISTOVÃO BUARQUE, foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia. O jovem americano introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um brasileiro. Esta foi a resposta do Sr. Cristovão Buarque:

"De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a humanidade.

Se a Amazônia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar o diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço.

Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país. Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as Reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano.

Não se pode deixar esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado.

Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA.

Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhatan deveria pertencer a toda a Humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua historia do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.

Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.

Nos seus debates, os atuais candidatos a presidência dos EUA tem defendido a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir a escola. Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando deveriam viver.

Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo.

Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa!".

Cristóvão Buarque

terça-feira, 4 de maio de 2010

CARTA DE UM POLICIAL PARA UM BANDIDO

"DIREITO TEM, QUEM DIREITO ANDA"


SENHOR Bandido.

Esse termo de senhor que estou usando é para evitar que macule sua imagem ao lhe chamar de bandido, marginal, delinquente ou outro atributo que possa ferir sua dignidade, conforme orientações de entidades de defesa dos Direitos Humanos.

Durante vinte e quatro anos de atividade policial, tenho acompanhado suas "conquistas" quanto à preservação de seus direitos, pois os cidadãos, e especialmente nós policiais, estamos atrelados às suas vitórias, ou seja, quanto mais direito você adquire, maior é nossa obrigação de lhe dar segurança e de lhe encaminhar para um julgamento justo, apesar de muitas vezes você não dar esse direito às suas vítimas.
Todavia, não cabe a mim contrariar a lei, pois me ensinaram que o Direito Penal é a ciência que protege o criminoso, assim como o Direito do Trabalho protege o
trabalhador, e assim por diante.

Questiono que hoje em dia você tem mais atenção do que muitos cidadãos e policiais.
Antigamente você se escondia quando avistava um carro da polícia; hoje, você atira, porque sabe que numa troca de tiros o policial sempre será irresponsável em revidar.
Não existe bala perdida, pois a mesma sempre é encontrada na arma de um policial ou pelo menos a arma dele é a primeira a ser suspeita.

Sei que você é um pobre coitado. Quando encarcerado, reclama que não possuímos dependências dignas para você se ressocializar. Porém, quero que saiba que
construímos mais obras para o crime do que escolas ou espaço social, ou seja, gastamos mais dinheiro para você voltar ao seio da sociedade de forma digna do que com a segurança pública para que a sociedade possa viver com dignidade.

Quando você mantém um refém, são tantas suas exigências que deixam qualquer grevista
envergonhado. Presença de advogados, imprensa, colete à prova de balas, parentes, até juízes e promotores você consegue que saiam de seus gabinetes para protegê-los. Mas se isso é seu direito, vamos respeitá-lo.

Enfim, espero que seus direitos de marginal não se ampliem, pois nossa obrigação também aumentará. Precisamos nos proteger. Ter nossos direitos, não de lhe matar, mas sim de viver sem medo de ser um policial.

Dois colegas de vocês morreram, assim como dois de nossos policiais sucumbiram devido ao excesso de proteção aos seus direitos. Rogo para que o inquérito policial instaurado, o qual certamente será acompanhado por um membro do Ministério Público e
outro da Ordem dos Advogados do Brasil, não seja encerrado com a conclusão de que houve execução, ou melhor, violação aos Direitos Humanos, afinal, vocês morreram em pleno exercício de seus direitos.

Vigora em nosso pais uma lei que dá direito a família do preso a ficar recebendo dinheiro , se já não bastasse tantos outros incentivos como bouças isso, bouça aquilo; auxilio isso auxilio aquilo etc. Que no final das contas, só uma pequeníssima parcela são dignas do verdadeiro auxilio, que deveria ser provisório. * C. portela
Autor:
Wilson  Ronaldo Monteiro
Delegado da Polícia Civil do Pará 




domingo, 25 de abril de 2010

A EVOLUÇÃO DO ENSINO

Antigamente se ensinava e cobrava tabuada, caligrafia, redação,
datilografia... havia aulas de Educação Física, Moral e Cívica, Práticas
Agrícolas, Práticas Industriais e cantava-se o Hino Nacional, hasteando a
Bandeira Nacional antes de iniciar as aulas..
Tinha-se respeito pelos pais, tios, avós, pelas pessoas mais
velhas/experientes... cultivava-se a família e os amigos eram verdadeiros.
Hoje as crianças e os adolescentes primeiramente tem que saber o que é
cidadania na ótica comunista, sexo seguro com todos os apetrechos eróticos
que tem direito, igualdade racial, social, etc, português, matemática e
geografia ficaram em segundo plano diante da sociologia e da filosofia.
Quanta diferença!

Relato de uma Professora de Matemática:
Semana passada comprei um produto que custou R$ 1,58.
Dei à balconista R$ 2,00 e peguei na minha bolsa 8 centavos, para
evitar receber ainda mais moedas.
A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina
registradora, aparentemente sem saber o que fazer.
Tentei explicar que ela tinha que me dar 50 centavos de troco, mas ela
não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la.
Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e
ela aparentemente continuava sem entender.
Por que estou contando isso? Porque me dei conta da evolução do ensino de
matemática desde 1950,
que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de venda .
Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de
venda ou R$ 80,00.
Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00.
Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00.
Escolha a resposta certa, que indica o lucro:
( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

5. Ensino de matemática em 2000:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00.
O lucro é de R$ 20,00.
Está certo?
( )SIM ( ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

7. Em 2010 vai ser assim:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
Se você é negro, pardo ou indígena não precisa responder
( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00



Kelem Montes Cardoso Mesquita
Coordenadora Pedagógica / UBEC-CENTAF
UBEC-Centro de Formação da Agricultura Familiar

quarta-feira, 31 de março de 2010

MPE RECOMENDA MAIS ATENÇÃO A JOVENS VICIADOS EM DROGAS

A promotora constatou carência de políticas públicas relacionadas a crianças com dependência química - Da Redação da Agência ContilNet  
A promotora substituta Maria Fátima Ribeiro recomendou à Prefeitura de Rio Branco que na formulação e na execução das políticas sociais públicas haja destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção às crianças e adolescentes usuários de drogas . O objetivo é viabilizar a criação e manutenção de programas assistenciais específicos voltados
aos jovens dependentes químicos.

Ela também pede que em casos extremos de dependência química de crianças e adolescentes seja providenciado tratamento de desintoxicação, mesmo que fora do domicílio, pago pelo município.

Fátima destaca que, segundo o Estatuto da Criança e do adolescente, "é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão".

A promotora fala também que o artigo 204 da Constituição Federal estabelece que as ações governamentais na área da assistência social serão realizadas e organizadas de forma descentralizada, cabendo à União a coordenação e a emissão de normas gerais e ao Estado e ao município a coordenação e a execução de programas.

Através do acompanhamento das situações relacionadas a crianças e adolescentes em Rio Branco, o Ministério Público Estadual (MPE) constatou carência de políticas públicas e programas de atendimento relacionados a crianças com dependência química.

31 de março de 2010 06:57

CARLOS PORTELA disse...
Me parece que uma das funções básicas de um Estado/Município é investir e controlar o social, que bom se isso fosse prioridade.Os investimentos em valores éticos, morais e sociais estão sendo substituidos pelos pessoais, prevalecendo o "EU" e não o "NÒS", os planos de governos estão sendo substituidos por PLANO DE PODER.Investir em prevenção é muito mais ético e barato; porém não gera, de imediato, votos.
31 de março de 2010 07:14


domingo, 14 de março de 2010

O MAR DE LAMAS

* Publicado em fevereiro de 2006 em "o altoacre" e em abril, em " o rio branco"

É vergonhoso ou no mínimo constrangedor o que vem acontecendo em nosso país nos últimos tempos. Mas o que mais incomoda àqueles que têm um perfil de mudanças, é a mudança, tão rápida, daqueles que se diziam defensores de uma moralidade, que hoje, diante da situação, muitos se encontram calados dentro do seu mundo de vergonha; outros, continuam insistindo em defender o indefensável dos escândalos que aí se encontram, sujando mais ainda o caráter e a personalidade por aqueles que imaginavam que os mesmos o tinham. Onde estão aqueles que falavam em liberdade de expressão?
O nosso país, os estados, os municípios só vão começar a desenvolver-se verdadeiramente quando forem colocados à frente dos poderes, órgãos, ministérios, secretarias, etc. pessoas capacitadas para a função e compromissadas, principalmente, com o desenvolvimento social. Aliás, esta é uma das razões do Estado existir. As pessoas capazes para as funções têm condições de ajudarem o desenvolvimento; mas as incapazes e atreladas, só esperam e obedecem, são inferiores e incapazes de levantarem a voz por melhoras, por isso não deveriam assumir tais responsabilidades.
Aqui, em nossos municípios tem aumentado assustadoramente o índice de violência em todos os sentidos. Sendo a violência maior a falta de compromisso com a cidadania e o bem estar para com a população, por parte de algumas autoridades e políticos, que para satisfazerem a vontade do eleitor leigo, investem em bens materiais e pessoais, que é para terem condições, às vésperas da eleição, de pagar o trabalho do eleitor pidão, garantindo a eleição ou reeleição de muitos.
A cada dia que passa cresce a necessidade de inversão nos valores sociais e culturais, que estão desaparecendo a cada ano. Com isso só vem aumentando o índice de violência. Será que só prendendo “o ladrão de galinha” vai mudar esta situação? A maioria dos delinquentes já foi presa várias vezes e vão continuar no entra-e-sai das cadeias, em uma prova de que só a cadeia não resolve. Será que estou errado?
Nossos impostos cada vez maiores são capins pra ser devorados por corruptos??
portela@contilnet.com.br

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

SERÁ O NOSSO VOTO MANIPULADO!

Muitos defendem o " sagrado " direito do voto, é claro que na teoria é tudo muito bonito, tudo certinho, através dele podemos escolher quem irá nos representar. Mas na prática isso não acontece. As táticas políticas são sempre as mesmas. Não seria o voto mais uma forma de enganar o povo, dando a ele uma sensação de poder, que na realidade não existe? Esse "poder" é manipulado, basta prestar atenção nas propagandas políticas, à mídia é um instrumento de controle, "que pode fazer um candidato do nada, como também derrubar um do tudo" o próprio processo é um instrumento de controle. O que me parece errado é a instituição do voto obrigatório, que pune quem se abstêm de exercer o chamado dever cívico. Voto é voto. Deixar de votar ou votar nulo é também um modo de exercer a cidadania, afinal isso é democracia. O direito de escolha, Inclusive escolher"ninguém" , "votar nulo", também é um direito do cidadão. Votando dessa forma poderemos mostrar ao país que não estamos satisfeitos com toda a corrupção e não nos aliamos ao sistema. Dizer que o voto é um direito, é realmente falta de massa cinzenta na cuca, pois O VOTO É OBRIGATÓRIO!! Tudo o que é obrigatório não é democrático. Se eu não quiser votar, vão cancelar meu CPF. Assim, eu não posso abrir crediário, tomar posse em cargo público, fazer concurso público...e muito mais. Isso é democracia?? Ah, peraí...
Um povo que se deixa influenciar e se explorar merecem isso mesmo, acredito que não fazemos nada, porque é bem mais fácil ser oposição, ficar julgando, criticando, apontando erros.... fazer é muito difícil, exige esforço e consciência, então pra que levantar do lugar e lutar.
Para dar seu voto consciente, o eleitor deverá, pelo ao menos, examinar a vida pregressa do candidato. Como se comporta em relação a sua família. Que atitudes tomou em defesa da vida e da família; Como abordou o problema da corrupção; Com relação a emprego e distribuição de renda da pobreza, quais foram suas atitudes e opiniões, etc. Nem sempre os programas dos partidos e as ideias dos candidatos são claros, no que diz respeito à defesa da vida em todos os momentos de sua existência e a preservação dos valores cristãos, éticos e morais da família. Daí a necessidade de o eleitor conhecer melhor o candidato em que deva dar o seu voto. A final o nosso voto vai ser responsável também pelo bem estar daqueles que não votam; as crianças, aposentados, povos da floresta e os velhinhos. É verdade que, em época de eleição, mesmo a burguesia mais orgulhosa, se curva diante de sua Majestade, o pobre eleitor popular. Mas, terminada a eleição, o povo volta a sua vidinha e não se encontram mais.
Mas, de qualquer modo, existem eleições e os pobres eleitores vão às urnas, horas nas filas, para muitas vezes elegerem corruptos e incompetentes, que depois de eleitos só dizem amém, e não ajudam se quer defendendo bandeira em prol do povo. É no período eleitoral que ocorre a verdadeira distribuição de renda nesse país, que em contrapartida apenas oferece uma cidadania minúscula. As eleições no Brasil são capazes de operar verdadeiros milagres. Os “mensaleiros” foram absolvidos pelo nosso esquecimento. As “sanguessugas”, “cuequeiros”, “meieiros” também serão. Fala-se muito do julgamento das urnas, mas as urnas não colocam ninguém na cadeia. Fala-se em punição dos culpados, mas nem ao menos existe julgamento de políticos por aqui. Mas o Estado brasileiro continua esmagando o poder de compra da população com uma quantidade de imposto que além de ridícula é desumana. Quando é que vamos resolver a participar e realmente eleger nossos candidatos, em vez de apenas votar, aí sim assumiremos o poder de melhorar este maravilhoso país. Não se esqueça o seu voto alem de secreto é a única arma para mudança, faça a sua parte.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

RESPEITEM OS NOSSOS VELHINHOS

Que seja abençoado cada filho que tem a coragem para olhar dentro de si, de maneira clara, e ver como realmente é: uns homens velhos, carcomidos, cheios de defeitos, depauperado. Um homem velho que carrega nas costas baús de lembranças ruins, de orgulhos tolos, de malquereres. Um homem que se encontra curvado de tantas lutas do dia a dia, para dar a sobre vivência da família. São homens honestos de condutas ilibadas, que não podem ser mais cidadãos e exercer seus direitos, embora exista Lei estadual neste sentido (N° l.343 de 2000), mas que continuam servindo para pagar imposto.
Abandonados e já desnutridos já nem sabem como é bom viver.
Pior que a pobreza, é a “pobreza envergonhada” de pessoas muito sós, tímidas que sofrem todas as suas carências num canto qualquer. ...Naquilo que deveria ser vergonhoso os “políticos” atuais e passados, que por desinteresse, incompetência ou outras coisas, nunca souberam amparar e respeitar quem verdadeiramente precisa e merece.
Denuncias de maus-tratos como: conflito familiar e pessoal, negligência asilar e hospitalar, discriminação, abandono, apropriação de seus bens, são atitudes que são consideradas comuns. Mas na verdade se trata de falta de respeito e falta de consideração para com os mesmos; como exemplo podemos citar a gratuidade nos ônibus, que atende só uma pequena parte, os outros tem que pagar.
No dia em que formos mais solidários, quando no final da vida o velho tiver onde morar, o que comer e remédios para controlar a saúde, ele será lucrativo para a sociedade ao invés de ser um peso. Pois nada é mais justo do que garantir ao idoso a sua integração com o desenvolvimento sócio-econômico e cultural. O “Estatuto do Idoso” não tem sido eficientemente aplicado. A reforma previdenciária foi feita, mais para resolver o déficitatividade para financiar aqueles que são aposentados. Uma pequena quantidade de aposentados ganha salários altíssimos, faltando dinheiro para os menos favorecidos, que é a grande maioria merecedora. financeiro da instituição. Embora sejamos um país em que o número de idosos está aumentando, e vai continuar crescendo, existem mais pessoas em
Há pessoas que trabalham uma vida inteira no duro e no fim da vida recebem uma aposentadoria miserável, outros trabalham poucas meia dúzia de meses e recebem aposentadorias milionárias, que são os políticos, que deveriam trabalharem em prol do povo. Mas são eles que fazem seu s próprios salários, e que também são eles que determinam o salários dos aposentados, e veja só o poder que você deu a eles.

REFLEXÃO

Pai, a vida é tão breve e passageira. Vejo-o tão tenso, preso nos seus próprios conceitos e preconceitos, mostrando ainda ser forte. Sei que não facilitei o nosso convívio, não me propus aproximar-me ainda mais de você. Também fiquei arredio, mas pai, hoje vejo tudo mais claramente e até por isso posso ver minhas falhas consigo. Tente se abrir, não tenha medo do mundo, o mundo é você.

Ads by Revenue Hits