Pesquisar neste blog temas do seu interes

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

VEREADORES E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, VISITAM ESCOLAS DA ZONA RURAL
“Em busca dos investimentos destinados à educação, foi encontrado salas em ruínas e faltando ventilação, banheiros não funcionando a contento, falta de água gelada, alunos sem livro, caderno, merenda e até sem aula”.
Os vereadores Portela e Marquinho, O presidente do Conselho, Soares e mais um conselheiro, fizeram visitas a convite de várias pessoas que moram na localidade, pedindo providências aos vereadores e ao Conselho. A principal reivindicação delas é em relação ao transporte escolar rural e as precariedades dos ramais que tendem a piorar com o período chuvoso.
Uma grande polêmica foi gerada, quando o Prefeito André Hassem, sugeriu a redução do Ano Letivo e com isso a qualidade do aprendizado seria comprometida; haja vista que as normas e Leis determinam 200 dias letivos com um total de 800 horas/aulas.
Escolas como a do Ramal dos Pereiras e a do Ramal da Torre, que já findaram o Ano Letivo, O presidente do Conselho, Professor Soares, acompanhado dos vereadores, fez questão de averiguar tal situação e se preciso for, denunciar ao Ministério Público, caso comprove o descumprimento da carga horária.
Na Escola José Sabino, da Comunidade Tucunduva, a professora foi contratada no meio do ano e estão sugerindo que ela trabalhe em período integral afim de completar sua carga horaria de 800 horas /aula ainda esse ano, sem ser oferecido a mesma, nenhum tipo de vantagem, ela já vem trabalhando uma hora a mais por dia e também trabalhando todos os sábados; caso isso venha acontecer a mesma não vai gozar dos descansos e direitos que os professores têm que é o recesso, diz ainda a Lei, que o professor não será obrigado a trabalhar fora do turno a qual foi contratado. Obs. ela só ganhará a metade do que merece um professor, que é ganhar o salário de um ano para dar 800 horas/aula. Não é dela, dos alunos e pais, a culpa das aulas só começar no meio do ano. Diz Vereador Portela

Já na Escola do Prata o caso é mais sério, com a ideia de NUCLEAÇÃO, várias escolas foram fechadas e trazidas para o Prata e as condições oferecidas estão à desejar, o ano letivo foi comprometido, não foi iniciado na data prevista por falta de reforma na escola; caso que aconteceu em várias outras escolas também, o transporte escolar tem falhado e muito, quando não é a chuva, é problemas no ônibus e também a falta de combustível.
Foi feita uma reforma só na pintura da escola e em período de aula causando grandes transtornos aos professores e alunos.
A má gerencia foi grande e agora querem terminar o ano/letivo forçando períodos mais longo de permanência em sala de aulas, quando a culpa não foi dos professores, dos pais e nem dos alunos. Mesmo assim foi colocado em discussão e aceito a proposta dos alunos entrarem as 07:00h da manhã e saírem as 14:00h, com a promessa que vai ter o transporte escolar, café da manhã e almoço e ficando agendado uma reunião nesta quarta feira às 10:00h no Gabinete do Prefeito visando o comprometimento do mesmo em colocar, de imediato, as máquinas para recuperar os trechos piores dos ramais, se não, como vai haver aulas nesse período chuvoso sem que haja trafegabilidade.
Os vereadores também se comprometeram a ajudar nessa e em outras questões abordadas pela comunidade, em suas formas de reivindicarem.
As escolas visitadas, todas se encontram na situação de abandono do prédio, precisando algumas delas, não de reformas e sim de demolição para a construção de outra. (Escola do km 20, do Tucunduva, do Prata, do Ramal da Torre).
Em busca dos investimentos destinados à educação, foi encontrado salas em ruínas e faltando ventilação, banheiros não funcionando a contento, falta de água gelada, alunos sem livro, caderno, merenda e até sem aula.
Os casos acima são uma amostra da série de crimes cometidos contra os estudantes de Epitaciolândia. As evidências de desvio de recursos e as suas consequências são encontradas fartamente dentro das escolas. Aqui, a relação de causa e efeito é clara: quanto mais corrupção, pior é o ensino oferecido.
Não é à toa que, para muitos gestores, o CONSELHO é um amigo de todas as horas. Além de solicitar esclarecimento das autoridades e, uma vez constatadas irregularidades, denunciá-las, o conselho tem competências consultivas, propositivas, mobilizadoras, deliberativas e normativas. "A razão de ser do órgão está em sua condição de cogestor das políticas públicas. Isso significa participar ativamente do sistema, compreendendo o planejamento, a execução e a avaliação como instrumento de melhoria do ensino", explica Vereador Portela
Essa visita faz parte de uma análise que é preciso fazer, uma vez que as Escolas Rurais do município estão passando por um processo de NUCLEAÇÃO, e para tal a gente precisa verificar as condições mínimas de funcionamento dos prédios, dos educadores, dos alunos.
No caso das escolas visitadas nós observamos que de fato precisa se fazer algumas adequações, por isso visitamos os espaços e conversamos com a comunidade para entender melhor a realidade vivida aqui. Enfatiza Portela

Foto de Carlos Portela.

Foto de Carlos Portela.

Foto de Carlos Portela.
Foto de Carlos Portela.
Foto de Carlos Portela.
Mais 15

Ads by Revenue Hits